A vida por outros olhos

uma análise do filme

"Vermelho como o céu"

Gênero: Drama

Direção: Cristiano Bortone

Duração: 96 min

Lançamento: 2005

País: Itália

     O filme italiano "Vermelho como o céu", dirigido por Cristiano Bortone, e exibido em 2005, conta a história verídica de Mirco Mencacci (na vida real, Lucca Capriotti), um menino apaixonado por cinema que acaba se tornando um famoso editor de som italiano. Aos dez anos, no interior da Itália dos anos 1970, Mirco perde sua visão e então é enviado a um instituto educacional para deficientes visuais, já que não era aceito em sua antiga escola. Neste instituto, o jovem faz várias amizades e aprende a lidar com sua situação, e com o tempo, descobre um tocador de fitas que lhe ajuda a expressar sua enorme criatividade, antes presa por detrás de sua deficiência. Com o tempo, Mirco aprende a ver o mundo por outros olhos.

 

     Mesmo que limitante, a cegueira se torna, aos poucos, uma forma "especial de ver o mundo", porque Mirco superou sua perda, adaptou-se e conseguiu voltar a apreciar a vida e ser feliz. A cegueira o ajudou a perceber como os sons, principalmente, podem contar histórias inteiras de maneiras incríveis. Um exemplo disso ocorre quando o protagonista tem a ideia de fazer a história, que depois virou uma peça, em que ele e seus amigos usam o gravador para adicionar à narrativa efeitos sonoros. Como o escritor Jorge Luis Borges, que inclusive ficou cego como Mirco, diria: “Para a tarefa do artista, a cegueira não é totalmente negativa, já que pode ser um instrumento.” Essa citação se encaixa perfeitamente à situação de Mirco, que superou sua cegueira, e usou a melhora de sua audição como instrumento para criar todos os efeitos sonoros de seus filmes.  

A reflexão que o filme nos traz é a de que a forma tradicional de ver não é o único jeito de enxergar o mundo. Mostra que há diversos jeitos, há várias formas de ver, a partir das quais não se usam os olhos, mas sim o coração e os sentimentos. Um exemplo dessas maneiras de enxergar ocorre quando os garotos cegos do filme aprendem a “ver” e a se divertir usando seus outros sentidos, como a audição e o tato. O motivo de expandir a maneira de olhar para a criação artística ser tão importante é o de que, no caso dos artistas, não se pode ficar limitado a expressar sentimentos e ideias por um meio de arte que não vai atingir a todas as pessoas por não ser acessível a todos.

     Já para pessoas que não se consideram artistas, a importância de expandir a maneira de olhar para a criação artística é a de que não se deve se restringir ao pensamento de que só existe um tipo de arte, pois a arte pode se manifestar por meio de quadros, músicas, dentre outras formas a partir das quais todas as pessoas possam sentir. E é justamente isso que faz da arte uma forma única e original de se expressar sentimentos.

Enzo Sekito, Gabriel Abreu,

Pedro Dutra e Bernardo Abramof

9th B (resenha sob orientação do Prof. Francesco Jordani)